Cinqüentona em boa forma

Meio século depois do boom que a tornou famosa, a Bossa Nova continua influenciando gerações

Daniele Barbosa

Consagrada pela inconfundível batida do violão de João Gilberto, pela harmonia complexa de Tom Jobim e pelas inspiradas letras de Vinícius de Moraes, a bossa nova completa 50 anos em 2008. Cheio de vigor para artistas como Leila Pinheiro e Carlos Lyra, o estilo musical tem papel fundamental na MPB e influencia até hoje a maneira de se fazer música.

Para Carlos Lyra, um dos importantes músicos da bossa nova, só o motivo de estarem festejando 50 anos já mostra que ela está muito bem conservada. E se a sua opinião beira para alguns a defesa daquele movimento cultural, para Lyra é muito simples. “O que eu acho é que a bossa nova é um jeito de compor e cantar”, afirma.

Segundo Lyra, qualquer integrante da nova geração musical que possui qualidade provavelmente foi influenciado pela aniversariante. Mas num panorama geral da música brasileira, o cantor e compositor não pareceu acreditar que a Bossa venha “fazendo a cabeça” de muita gente. De zero a dez, deu nota cinco para a cena atual da MPB.

Leila Pinheiro, que lançou em 2007 o disco Agarradinhos, praticamente com total influência da bossa nova – começando pelo parceiro Roberto Menescal -, acredita que a forma de cantar sob a batida sincopada do violão criada por João Gilberto no final da década de 50 foi o que deu origem ao estilo. Leila acrescenta ainda que Nara Leão é a síntese de tudo o que pode definir o canto da bossa.

A cantora também afirma que o tempo não envelheceu em nada o estilo musical. “Pensando na bossa como uma mulher de 50 anos, eu diria que, sem plásticas, botox ou qualquer bisturi, ela continua como sempre foi: linda e riquíssima em todos os níveis”. Leila apenas lamenta o abandono da senhora pela sua pátria o que, segundo ela, mantém o gênero um pouco distante das rádios.

Mas para a intérprete, o afastamento da mídia não significa exílio musical. Leila tem certeza que todos os envolvidos com a arte dos sons bebem ou já beberam alguma vez da fonte bossanovista. “Até o pop brasileiro, com diversos bons exemplos como Fernanda Takai, que recentemente regravou algumas coisas da Nara Leão, tem influencia da Bossa”.

Apesar de ter nascido em meio à juventude da Zona Sul, a Bossa nova nunca foi, para Leila Pinheiro, privilégio da elite, e é muito bem vinda nos novos formatos em que vem se apresentando ultimamente. A mistura de elementos eletrônicos como, por exemplo, em “Só tinha de ser com você” (Tom Jobim e Aloysio de Oliveira) na voz da cantora Fernanda Porto, de acordo com Leila, torna o estilo mais acessível a possíveis novos adeptos.

E a bossa nova não se limita apenas à condição de musa inspiradora de cantores e compositores. O pesquisador de cultura brasileira Luis Fernando Vieira, quando jovem, se encantou tanto com o surgimento daquela forma peculiar de se fazer música criada por João Gilberto que, desde então, não parou de estudá-la e se tornou pesquisador. Luis explica que, quando a bossa nova apareceu, o Brasil vivia uma época de importação musical. Em princípio o gênero nasceu como um movimento cultural e musical com influências harmônicas fortíssimas do jazz. Segundo ele, após se distanciar com o tempo da música negra norte-americana, o gênero que revelou João Gilberto se tornou uma vertente do samba.

O pesquisador, assim como Leila Pinheiro, não acredita na Bossa Nova como um estilo típico da classe média e alta. Vieira afirma que se escuta Bossa Nova em qualquer lugar, mas não tanto quanto se gostaria. Para o professor, é uma pena que não se dê tanto valor à riqueza musical do país. “O Brasil é tão rico musicalmente, e alguns outros países tão pobres, que eles importam nossa música. Por isso o consumo da Bossa Nova lá fora. Os países que sofrem de anemia cultural e querem consumir música boa recorrem a nossa qualidade e diversidade”, explica.

Na opinião de Carlos Lyra a exportação da Bossa tem razões econômicas. “A Bossa Nova é um produto de classe média, então ela será mais consumida em países onde essa classe tenha maior poder aquisitivo financeiro e cultural. No Brasil, o povão ainda é maioria”, diz o músico.

Na hora de escolher o representante ideal da bossa nova, Leila Pinheiro e Luis Fernando são unânimes: João Gilberto. Para a cantora, ele foi o divisor de águas. E segundo Luis Fernando Vieira, foi o grande inventor. “Ele foi o músico que descobriu a forma de colocar o telecoteco no violão”.

Uma resposta para

  1. Iveli disse:

    Parabéns Daniele pelo texto.
    Não tem como falar em Bossa Nova sem citar João Gilberto!!
    Além de ser um grande músico, ele teve um papel muito importante, levando a Bossa Nova para todos os ouvidos.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: